Home / Matérias Técnicas / Como ferramentas e tecnologias digitais apontam para o futuro da Engenharia, Agronomia e Geociências

Como ferramentas e tecnologias digitais apontam para o futuro da Engenharia, Agronomia e Geociências

 

No Brasil, engenheiros, agrônomos e geocientistas desempenham um papel crucial na busca por soluções para os desafios socioambientais enfrentados pelo país. Esses profissionais têm a expertise técnica necessária para aplicar tecnologias inovadoras, incluindo ferramentas digitais, para melhorar a gestão de recursos naturais e minimizar impactos ambientais.

As ferramentas digitais podem ser utilizadas para monitorar áreas degradadas e identificar padrões de uso do solo, possibilitando a implementação de medidas preventivas para reduzir a degradação ambiental. Além disso, tecnologias de sensoriamento remoto e análise de dados podem ser aplicadas na gestão de recursos hídricos, auxiliando na detecção de vazamentos e no planejamento do uso sustentável da água.

Os engenheiros, agrônomos e geocientistas também podem empregar ferramentas digitais na promoção da sustentabilidade na agricultura, incluindo o uso de softwares de modelagem de culturas para otimizar a produção e reduzir a emissão de gases de efeito estufa. A tecnologia também pode ser utilizada na implementação de práticas de agricultura de precisão, como o monitoramento do uso de fertilizantes e pesticidas, permitindo a redução do impacto desses insumos no meio ambiente.

No entanto, o uso de ferramentas digitais também pode trazer desafios, como a necessidade de garantir a privacidade de dados sensíveis e a capacitação técnica dos profissionais para utilizar as tecnologias de forma eficiente. Além disso, é fundamental garantir que o uso dessas ferramentas esteja alinhado com a legislação ambiental e os princípios de sustentabilidade.

Portanto, é importante que os engenheiros, agrônomos e geocientistas estejam preparados para utilizar ferramentas digitais de forma consciente e sustentável, trabalhando em conjunto com outras áreas do conhecimento e com a sociedade civil para enfrentar os desafios socioambientais e promover um desenvolvimento mais justo e equilibrado para o país.

Manter essa tendência de desenvolvimento e aprimoramento da profissão é uma tarefa que depende não só do incentivo aos profissionais que já atuam nessas áreas, mas incorporar no ensino das universidades e nos demais locais de formação profissional, a vivência com todas essas novas tecnologias que muito tem a acrescentar e aperfeiçoar os serviços oferecidos à toda a sociedade.

Para servir de ponte nesse processo, tanto o Crea-SP quanto as entidades de classe, como a AEAA-C, estimulam a capacitação contínua e humanizada, além de promoverem interação entre os profissionais inseridos no Sistema Confea/Crea, em ações como cursos, palestras, workshops e outros eventos. No Conselho, o CreaLab e o Crea-SP Capacita são dois exemplos de iniciativas com esse intuito.

Saiba mais nos sites dos programas: https://creasp.org.br/capacita e https://creasp.org.br/crealab.